15 de março de 2017

No Dia do Consumidor, conheça os perfis de quem consome no Brasil, sua confiança na economia e importância para o país sair da crise

Importante termômetro da economia brasileira, os consumidores são um dos principais componentes do motor que move a economia do País. A crise impacta diretamente sua confiança e poder de compra e as questões econômicas se complicam ainda mais.

No dia em que celebramos sua importância, mesmo que não haja muito o que comemorar, vale a pena analisar o contexto atual em que os consumidores brasileiros se encontram: o perfil dos que consomem, sua confiança na economia, o grau de inadimplência e, por fim, o que mudou nos hábitos de consumo.

PERFIL DO CONSUMIDOR BRASILEIRO

Em parceira com a Boa Vista SCPC, o jornal Diário do Comércio, veículo da ACSP, publicou infográfico abaixo, que apresenta os cinco grupos de consumidores brasileiros

A CONFIANÇA DO CONSUMIDOR BRASILEIRO

O Índice Nacional de Confiança, pesquisa mensal da ACSP que analisa a confiança e segurança do brasileiro quanto à sua situação financeira, marcou 74 pontos no mês de fevereiro, três a menos do que foi registrado em janeiro de 2017.

O INC varia entre zero e 200 pontos, sendo que o intervalo entre zero e 100 é o campo do pessimismo e, de 100 a 200, é o campo do otimismo. Ele traduz a sensação do consumidor diante da situação da economia brasileira e da sua própria situação financeira, mostrando também a propensão a compras e o nível de segurança no emprego.

Para entender o tamanho do impacto da crise econômica é importante analisar o gráfico abaixo, que traz a variação do INC desde sua criação, em 2005.

A INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR BRASILEIRO

Segundo reportagem publicada no DC, a inadimplência do consumidor apresentou queda de 8% em fevereiro, na avaliação dessazonalizada contra janeiro, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC.

Este resultado é reflexo das adversidades ocorridas na economia ao longo dos últimos dois anos, que geraram grande cautela nas famílias.

Já na avaliação acumulada em 12 meses (março de 2016 até fevereiro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 3,5%. E quando comparado o resultado de fevereiro contra o mesmo mês de 2016 houve retração de 8,3%.

As adversidades ocorridas na economia ao longo dos últimos dois anos geraram grande cautela nas famílias, inibindo o consumo e consequentemente contribuindo para a diminuição do fluxo de inadimplência.

OS HÁBITOS DE CONSUMO DO BRASILEIRO

Para encerrar este especial do Dia do Consumidor, compartilhamos aqui um vídeo produzido pelo DC que investiga o impacto da crise econômica nos hábitos de consumo do brasileiro. Se a economia retomar, será que consumidor brasileiro voltará a gastar?

 

LEIA TAMBÉM: “Por que, apesar da crise, há razões para celebrar o Dia do Consumidor”

Um análise interessante feita por Rodolfo Araujo, jornalista e diretor sênior de marca, inteligência e insights na Edelman Significa, para o Diário do Comércio.