9 de agosto de 2017

Com alta de 3,1% em julho, varejo de SP tem melhor desempenho do ano. Dia dos Pais deve ajudar os índices de agosto

As vendas do varejo paulistano encerraram julho com a maior alta mensal de 2017, registrando crescimento médio de 3,1% na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

As médias mensais deste ano foram: janeiro (-5%), fevereiro (-6,6%), março (-0,3%), abril (-7,5%), maio (0,9%) e junho (1,2%), seguindo a mesma base de comparação.

“Em julho, o comércio paulistano foi impulsionado pela procura por roupas e itens de inverno e pelo período de férias escolares, que movimentou os ramos de alimentação, entretenimento e lazer na cidade”, analisa Alencar Burti, presidente da ACSP e da Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo). Segundo ele, a base fraca do ano passado e os saques do FGTS contribuíram para o resultado.  

À VISTA E A PRAZO

As vendas à vista subiram 1,5% sobre julho de 2016 “em função das liquidações, que começaram já na segunda quinzena do mês”, explica o presidente da ACSP. Na modalidade a prazo, foi registrada alta de 4,6% na mesma base de comparação, refletindo o aumento das vendas de bens duráveis, eletroportáteis e TVs (devido ao fim do sistema analógico).

ACUMULADO

De janeiro a julho, as vendas do varejo de SP acumularam queda média de 1,9% frente a igual período de 2016. Já no balanço de junho, a retração média do período acumulado (janeiro a junho) foi de 2,7%. Para Burti, isso sugere que “as retrações devem continuar a perder força e seguir na direção da estabilidade até o fim do ano”. Ele alerta que, por outro lado, é preciso ter cautela porque não se poderá mais contar com o efeito positivo do FGTS e a alta dos combustíveis deve gerar um efeito negativo sobre o comércio.

VARIAÇÃO MENSAL

Na comparação com junho, as vendas a prazo e à vista apresentaram quedas sazonais de 2,6% e 2,5% em julho, respectivamente, porque junho contou com um dia útil a mais, com o Dia dos Namorados e com as festas juninas.  

O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia da ACSP com base em amostra da Boa Vista Serviços.

EXPECTATIVA PARA O DIA DOS PAIS

A ACSP estima que o comércio varejista da capital paulista poderá crescer em torno de 5% neste Dia dos Pais. A expectativa diz respeito ao movimento de vendas na primeira quinzena de agosto.

De acordo com o presidente da ACSP, Alencar Burti, dois fatores devem contribuir para o saldo positivo. “Os juros vêm numa sequência de quedas e o Banco Central já sinalizou que haverá outros cortes de mesma magnitude. Isso é alentador não somente para o Dia dos Pais, mas também para outras datas comerciais que virão, como o Dia das Crianças, a Black Friday e o Natal. Além disso, a base fraca do ano passado precisa ser levada em conta”, comenta Burti, que também preside a Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (ACSP). 

Porém, o crescimento esperado para o Dia dos Pais de 2017 não será suficiente para recuperar a retração de 9,5% na primeira quinzena de agosto de 2016, conforme registrou o Balanço de Vendas da ACSP.